Conectar-se

Esqueci minha senha

Últimos assuntos
» Duvidas sobre cavalos registrados e cor de pelagem
Ter Jul 22, 2014 11:51 pm por Jéssica Maciel

» Comprar um poldro
Qui Out 24, 2013 3:31 am por geferson santos silva

» Aguamento tem cura total?
Dom Out 06, 2013 6:12 am por luizfernandosilvy

» Licenciatura em Equinicultura - Escola Superior Agrária de Elvas/IPP
Dom Ago 04, 2013 11:31 pm por GIC

» Agrária de Elvas inaugura Centro de Enfermagem Veterinária
Sex Jul 12, 2013 4:56 pm por GIC

» Caimbras no cavalo
Ter Out 30, 2012 2:32 am por Luiz Michel dos Santos

» Dificuldade
Qua Jul 25, 2012 2:50 pm por Zagalote

» Lic. em Equinicultura na Escola Superior Agrária de Elvas
Ter Jun 12, 2012 2:27 pm por GIC

» A Língua Silenciosa dos Centauros
Qui Jan 26, 2012 8:03 pm por magali

» Aluguel de Baias/Cocheira
Seg Out 24, 2011 4:32 pm por samy

» Puro Sangue Lusitano
Qua Set 07, 2011 7:23 pm por claudia almeida

» Os EUA ameaçam acabar com cavalos selvagens!!!
Sab Jul 02, 2011 5:01 pm por italo resende

» LICENCIATURA EM EQUINICULTURA - ANO LECTIVO 2011/12
Ter Jun 28, 2011 1:38 pm por GIC

» Partilhar penso de Cavalo
Qui Jun 09, 2011 12:12 am por Vitor Rita Diniz

» Vendo ração hormonizada 80%
Dom Abr 10, 2011 3:02 pm por comercialjocafa

Sabor & Tradição


Todo a tradição do sabor no seu novo Pronto-a-Comer

Visite-nos e disfrute de um espaço
onde encontra a côr,
o aroma
e o sabor
que sempre desejou!

Agora no Pinhal Novo

www.saboretradicao.com
saboretradicao@gmail.com

 
Quinta do Monte Novo


Quinta Do Monte Novo

A Quinta do Monte Novo é uma empresa do sector industrial e comercial


Conheça a nossa gama de produtos:
Arte Equestre



  • Selas e Selins
  • Artigos para Equitação
  • Artesanato
  • Peles
  • Louças Regionais
  • Cobres e Estanhos
  • Capotes Alentejanos
  • Artigos de Caça

Rua Diogo Cão, n.º 17,
7000 Évora
Telefone: 266 704 609
Fax: 266 704 609


Bretão e Percheron

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Bretão e Percheron

Mensagem  Samarra em Dom Set 28, 2008 11:30 am

Bom, então agora deixo eu aqui o meu contributo para um maior conhecimento de uma das raças que para mim, impõe mais respeito.

Saúde a todos.



O cavalo bretão e o cavalo percheron são cavalos de tração. O cavalo bretão é a mais conhecida dentre as raças francesas de cavalos pesados (ou de tração). O cavalo bretão e o cavalo percheron são também chamados de "cavalos de sangue frio", ou "cavalos de tração pesada". São cavalos de índole pacata, mansa e dócil. Por outro lado apresentam vivacidade, altivez, e boa disposição para o trabalho, a reprodução, e o esporte. O cavalo bretão e o percheron têm aptidão natural para o trabalho de tração. São raças de cavalos aptas à tração urbana, agrícola, e à montaria por lazer.

Cavalos de tração pesada, o bretão e o percheron são, por definição, cavalos de médio a grande porte, musculosos, fortes, com cascos grandes e resistentes.

O cavalo bretão presta-se bem para cruzar com outras raças objetivando a formação de mestiços. Éguas bretão são boas amas de leite e receptoras de embriões para outras raças de cavalos.



O cavalo de tração da raça percheron, assim como o bretão, é apto para a atrelagem, a tração agrícola e urbana. Também pode ser utilizado para a montaria por lazer e, assim como os cavalos da raça bretão, servem bem a eventos como desfiles ou apresentações com volteio.

O cavalo percheron é em geral maior do que o bretão, mas não aparenta ser tão forte, devido ao fato de o bretão ser mais compacto, o que destaca sua musculatura.

Ambas as raças são por definição "cavalos de tração", devido à extrema capacidade de tracionar implementos agrícolas (enchada, arado, plantadeira, etc.),carruagens, carroças, peças de artilharia, carros, toras, barcaças, etc.

Os cascos destes cavalos de tração são grandes, redondos, e têm em média o dobro do diâmetro de cascos de cavalos leves. É também característica a pelagem ao redor dos cascos e nas canelas.



O cavalo percheron, e principalmente o cavalo bretão, possuem excelente capacidade de conversão alimentar. O cavalo bretão consome praticamente a mesma quantidade de ração que cavalos menores.

O cavalo bretão em geral é alazão com suas variantes. Ambas as raças têm pelagem de inverno abundante, que se torna fina e lisa durante os mêses mais quentes do ano.

O cavalo bretão (assim como o percheron) é amável e retribui com atenção, carinho e trabalho ao dono que o trata bem. Gostam de crianças, e raramente é necessária a força para a sua contenção.

A criação destes cavalos de tração também é fácil, pois são animais rústicos. Necessitam de forragem, assim como os outros cavalos. Por isso é importante ter boas condições de pasto para manter seu peso e a conformação atlética. Em condições ruins de pasto deve ser fornecida suplementação de concentrado, em quantidades iguais ou mesmo menores do que para cavalos de raças leves.



Origem da raça bretão

O cavalo bretão é uma raça de cavalos de tração pesada originada em torno de 1830 na bretanha, noroeste da França. Formou-se através de cruzamentos de animais das raças de tração Norfolk (inglesa), Ardennais, e Percheron (francesas) com éguas nativas de grande porte na bretanha.
Padrão racial do cavalo bretão

O cavalo bretão é um cavalo de médio a grande porte, brevilíneo, com musculatura proeminente e maciça em todo o corpo. O porte do cavalo bretão impressiona pelo peitoral musculoso, garupa larga, membros fortes e aprumados, pêlos ao redor e atrás dos cascos, que são grandes e fortes. Têm pescoço triangular, maciço, e crina freqüentemente dupla. A coloração é alazã, castanha e rosilha. Pelagens tordilha, pampa e albina não são permitidas em animais puros.

Utilização do bretão

São caracterísiticas do cavalo bretão a força e a vitalidade para o trabalho de tração. Também são evidentes sua docilidade, inteligência e a facilidade para o adestramento, seja para sela, atrelagem ou apresentações de volteio.

São exemplos de utilização do cavalo bretão: Tração agrícola e urbana, atrelagem esportiva, passeios turísticos em hotéis-fazenda ou em cidades, desfiles, volteio, lazer, montaria, formação de mestiços com outras raças eqüinas ou muares, leves ou de tração, ou ainda como éguas amas de leite para cavalos de hipismo, PSI e outros. Além de tudo isto, o porte do cavalo bretão "embeleza" o piquete.

As éguas bretão possuem ainda produção de leite até 60% maior que outras raças, e são boas receptoras de embriões pelo tamanho do útero e por esta produção de leite que pode chegar a 35 litros ao dia!.

O bretão sempre teve seu lugar na tração agrícola em pequenas propriedades, e em grupamentos de artilharia. Hoje está renascendo como alternativa "orgânica" ao uso de maquinário agrícola.

Adaptabilidade, óptima conversão alimentar, e rusticidade

O cavalo bretão possui boa adaptação ao clima quente e seco, vivendo bem a pasto mesmo em épocas de seca no centro oeste. Também apresenta boa conversão alimentar, e uma rusticidade que permite viver bem em sistema extensivo, sem uso de baias. Sua rusticidade lhe confere resistência natural a doenças e problemas físicos, além de boa resposta a tratamentos.

O bretão é um cavalo de tração já presente nos quatro cantos do mundo, já tendo sido exportado para países árabes, e também presente na região tropical da América do Sul.

A colocação dos animais em piquetes menores, e a melhora na qualidade da alimentação, para poucos animais, não é cara e leva a resultados impressionantes em termos de ganho de pêso, conformação e altura de cernelha.



Ao contrário do que se imagina, os cavalos de tração pesada das raças bretão e percheron são cavalos de criação "barata". Não apenas por não necessitar de baias (são criados adaptados à criação à campo) pois gastamos mais com o trato de animais de raça leve do que com os animais de tração pesada. Com o mesmo trato (incluídos aí forragem, ração, sal e manejo sanitário) os cavalos pesados mostram uma conversão alimentar muito melhor.

Fornecendo 4 kg de ração ao dia (durante as fases de crescimento, trabalho, e reprodução), forragem durante o período de sêca intensa, sal mineral, água fresca e limpa, e medicamentos, não há outros gastos durante a criação destes cavalos. O pasto deve ser de capim adequado ao consumo de cavalos. Caso seja de capim do gênero braquiária, é recomendável que se troque o capim. Pode também ser fornecido feno (1 a 2 fardos ao dia) em casos de falta de pasto ou criação em terrenos pequenos, como casas em área urbana.

O percheron, assim como o bretão também apresenta boa capacidade de adaptação a diferentes ambientes, e excelente conversão alimentar (relação entre o alimento consumido e quanto deste alimento efetivamente se transforma em massa muscular, porte físico).

São cavalos com preço médio comparado às outras raças com registro genealógico controlado. Não são caros para seu porte, funcionalidade, adaptabilidade e qualidade. Ambas as raças - bretão e percheron têm livro de registro ativo controlado pelas respectivas associações.

Cercas

As cercas devem, preferencialmente, ser de tábuas ou arame liso. Deve-se evitar arame farpado, pois se coçam com freqüência nas cercas. O ideal é ter ao menos um fio de arame eletrificado, o que barateia a confecção da cerca, já que o cavalo aprende a não tocá-la. Por serem cavalos de tração pesada, o cavalo bretão (assim como o percheron) é muito grande e pesado, e ao coçar nas cercas não é difícil levar ao chão os mourões, estacas e até tábuas de curral. Este problema é facilmente solucionado com o uso de cerca elétrica. Basta associar um fio elétrico entre 1,2 e 2m de altura a uma cerca convencional.



Pode-se utilizar, portanto, fios de arame liso, tábuas de curral ou até mesmo arame farpado - estes últimos preferencialmente em associação com cerca eletrificada. Postes de eucalipto não tratado ou "madeira podre" não suportam o peso do bretão ou do percheron, e partem no primeiro encontro caso não se utilize fios elétricos em associação (o que temos em nossa fazenda e funciona bem). Cavalos respeitam a cerca elétrica melhor do que o gado bovino.

Formação de mestiços

O garanhão Bretão é excelente para cruzar com éguas de outras raças mais leves para formação de mestiços mais resistentes, mais fortes e mais bonitos .

Ao contrário do que muita gente pensa, não dá problema na cobertura e nem no parto, só recomendamos que a égua esteja saudável e com boas condições físicas. Os mestiços machos têm utilidade na sela e na tração animal e as fêmeas, além dessas funções, também têm sido utilizadas como receptoras de embrião de outras raças e para matrizes de novos cruzamentos com garanhão Bretão para aumentarem o grau de sangue , pois depois de 6 gerações poderão produzir produtos P.O..

O útero das éguas limita o crescimento do feto (ao contrário do que acontece com o gado bovino, onde um touro zebuíno com vaca européia de pequeno porte pode gerar problemas no parto), cujo crescimento se dá após o nascimento.

Fonte: www.antares.agr.br
avatar
Samarra

Mensagens : 11
Data de inscrição : 17/09/2008

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum